terça-feira, 25 de dezembro de 2007

É possível?

*João assistia à televisão quando o telefone tocou. “Filho”, chamou a mãe. “Papei Noel mandou um presente de natal para ti”. O garoto parou por um instante e depois sorriu. Eles arrumaram as malas e vieram para Porto Alegre. João recebera um doador e seu presente fora um rim. No hospital, a criança realizou todos os procedimentos com alegria. E nem os doze cortes tiraram daquele rostinho a vontade de ficar bem. O pequeno é forte e sabe o valor que a vida tem.

*Vitória brincava na sala digital. Naquele lugar, os computadores são janelas para o mundo de fora. Ao seu lado, *Rosa escolhia para o assistente voluntário os números para apostar na lotérica. E com esperteza a garota adiantou-se: “Se tu ganhares, eu quero a metade”. É assim que elas passam o tempo e esquecem um pouco os tratamentos e procedimentos médicos, que, por vezes, doem, machucam, incomodam.

Essas pequenas vidas cruzam-se com muitas outras no Hospital da Criança Santo Antônio. São histórias de força e carinho. De amor e enfrentamento. É admirável ver tanta coragem em seres tão novinhos.

Este ano, há menos crianças internadas. “Que bom”, pensei. No entanto, a felicidade durou pouco. Como iria abrandar, consideravelmente, o número de pacientes. Será que eles deixaram de ficar doentes? Será que os acidentes reduziram? Esperança minha. A causa da momentânea alegria não tem nada de encantador. O porquê reside na diminuição de leitos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Um lugar que era para ser público torna-se cada vez mais privado. E quem realmente precisa acaba sem assistência.

O que falta? Mais do que um olhar, ajuda. Nem sempre em dinheiro. Talvez, na busca por mais justiça. Cada um contribuindo com o que pode. Sem sonhos, a humanidade não evolui. Quem sabe, pelo menos no Natal, a gente possa ter uma outra visão e, até mesmo, acreditar que algumas coisas podem ser diferentes. Crer que é possível mudar.

Feliz Natal a todos!


* nomes fictícios para preseravar fontes.

5 comentários:

Luana Fuentefria disse...

Aninha e seus textos meiguinhos...
Muito bonito.
Feliz Natal, pequena!

Thales Barreto disse...

Esperança... SEMPRE!
Se doar também e evoluir.
Parabéns pelo texto. =D
Bj

Tiago Medina disse...

Bonita a história, Aninha. Às vezes é impressionante as histórias de superação que a gente vê por aí de seres, considerados por nós, 'mais fracos'. Quanto ao Sus...enfim, como diz o ditado, né, somos brasileiros e não desistismo...

beijo, querida

Samir Oliveira disse...

Lindo texto Aninha! Muito legal da tua parte aproveitar as visitas e nos deliciar um pouco com essas belas histórias que tu tão bem sabes contar!!

bjaoo

Luana Fuentefria disse...

Vamo, Aninha!
A gente consegue inspiração!!!